quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O exemplo de Cristo

Vejamos como Jesus Cristo foi tentado e venceu as tentações.               A sagrada escritura nos diz: “Em seguida Jesus foi conduzido pelo espírito ao deserto para ser tentado, pelo demônio” (Mt 4,1).               Em seu sermão sobre as tentações o Padre Antonio Vieira disse:          “Oh que temeroso dia! Oh que venturoso dia! Estamos no dia das tentações do demônio, e no dia das vitórias de Cristo. Dia em que o demônio se atreveu tentar em campo aberto aos filhos de Deus. Oh que temeroso dia! Se até mesmo Deus é tentado, que o homem não tema ser vencido? Dia em que Cristo com três palavras venceu e derrubou três vezes o demônio, Oh que venturoso dia! A um inimigo três vezes vencido, quem não terá esperanças de vencer?”.                  O livro de Hebreus esta escrito: “ Porque a vista de tudo quanto ele padeceu, e em que foi tentado, é poderoso para ajudar também aqueles que são tentados” (Hb 2,17), “Porque não temos nele um pontífice incapaz de compadecer-se das nossa fraquezas ao contrario passou pelas mesmas provações que nós, com exceção do pecado”(Hb 4,15). São Leão Magno vai dizer: “ Se o Senhor permitiu ser tentado pelo tentador, com isto quis nos instruir pelo seu exemplo, para que fossemos fortalecidos pelo seu auxílio. Porque ele venceu o inimigo, como já ouvistes dizer, apelando para as leis e não pelo uso de seu poder; desta forma ele honrava severamente o adversário, pois que o inimigo do gênero humano era vencido por ele não tanto enquanto Deus, mas enquanto homem”.
   Jesus Cristo sendo Deus Venceu satanás como homem , e o homem deve vencer satanás como homem de Deus. O interessante é que a bíblia fala que foi o Espírito Santo que o levou para ser tentado. São Mateus diz: “ Qual foi conduzido pelo Espírito”              (Mt 4,1). São Marco fala: “Que o Espírito Santo o impeliu”(Mc 1,12) e            
São Lucas disse: “Que foi levado pelo Espírito” (Lc 4,1), é o Espírito Santo que nos leva para vencer o tentador. Santo Agostinho     ensina-nos:  “Toda tentação é uma forma de inquisição. Por meio dela o homem se conhece a si mesmo”. Em outra parte o mesmo santo vai nos dizer: “Se rejeitas a tentação, rejeitas também o crescimento. Coloca-te, pois, nas mãos do artífice, sem restrições. Ele te corrige, te lustra, te limpa. Para isso serve-se de vários instrumentos: são escândalos e tentações do mundo. Não fujas das mãos do artífice e não temas. Deus permite as tentações não para te arruinar, mas para fazer te mais forte”. São Leão Magno nos orienta:  “ preparamos nossas almas para combater as tentações; e compreendamos que quanto mais nos aplicamos à nossa salvação, tanto mais veementes serão os ataques dos adversários”. Mas, não tenham medo: “porque o que esta em vós é maior do que o que está no mudo” (I Jo 4,4). Como São Paulo escreveu: “Tudo posso naquele que me conforta” (Fl 1,13).
    Depois de ter  jejuado 40 dias e 40 noites, Jesus teve fome (Mt 4,2).  O número 40 no tempo de Jesus possuía para Israel um conteúdo simbólico muito Rico: recordava os 40 das e 40 noites que choveram sobre a terra e ouve um dilúvio no tempo de Noé (Gn 7,6-12); recordava também Moisés que ficou junto ao Senhor 40 dias e         40 noites sem comer, nem beber água (Ex 34,28). Recordava também o profeta Elias que andou 40 dias e 40 noites até o Horeb, a montanha de Deus (I Rs 19,8) estes 40 dias que Jesus o esposo foi tentado, e os 40 dias que sua esposa a Igreja é tentado na quaresma. Todos os anos.
      Amado filhos e filhas da Igreja Santa uma Católica, a sagrada escritura diz: “ O tentador aproximou-se dele e lhe disse: se és o filho de Deus, ordena que estás pedras se tornem Pães” (Mt 4,3). Comenta o Papa São Leão Magno: “ O diabo alegrou-se por ter encontrado nele sinais de uma natureza possível e mortal e , querendo por a prova o poder que ele temia, disse: se és o filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães”. Jesus Cristo como Deus poderia ter transformado as pedras em pão. Assim como transformou água em vinho (Jo 2,9), ou como multiplicou os Pães e saciou cinco m