sábado, 13 de agosto de 2011

Ataque de insurgentes da Al-Qaeda aos cristãos em Bagda

      
   A missa em uma igreja em pleno centro de Bagdá terminou em banho de sangue na noite de domingo, quando um grupo de insurgentes da Al-Qaeda invadiu a catedral siríaca católica e matou 46 fieis, em sua maioria mulheres e crianças. Além disso, sete policiais e cinco insurgentes morreram em uma troca de tiros posterior.
 ação foi reivindicada por um grupo ligado à Al-Qaeda, o Estado Islâmico do Iraque, que também deu um ultimato de 48 horas à igreja copta do Egito para libertar os muçulmanos "detidos em mosteiros" deste país, segundo o Centro Americano de Vigilância de Sites Islamitas                       (SITE).                                                                                           Imagem da frente da igreja
                     
"Quarenta e seis reféns morreram, incluindo muitas mulheres e crianças, e 56 ficaram feridos, incluindo 10 mulheres e oito crianças, no ataque da noite de domingo na igreja em Bagdá", afirmou uma fonte do ministério do Interior que pediu anonimato.
A invasão também terminou com sete membros das forças de segurança mortos e 15 feridos.
A fonte informou ainda que cinco terroristas morreram e oito suspeitos foram detidos. Mais de 100 pessoas estavam no templo de Saiydat al Najat (Nossa Senhora do Perpétuo Socorro) no momento do ataque.
Segundo o bispo caldeu de Bagdá, Shlimun Wardumi, dois padres da Catedral Sayidat al Najat, localizada no bairro de Karrada, morreram e um terceiro foi ferido a tiros.
"Sou invadidos por um imenso sentimento de tristeza. O que posso dizer? É desumano, nem os animais se comportam assim entre eles", declarou Wardumi à AFP.
A catedral mais parecia um campo de batalha O chão e as paredes estavam manchados de sangue e com marcas de tiros. Pedaços de cadeiras, bancos virados e quebrados, assim como estilhaços de vidro são vistos em todos os lados.
Para o padre Yusif Thomas Mirkis, diretor da ordem dos dominicanos, a ação foi planejada há muito tempo, como demonstram as armas e munições encontrados na catedral.
"É necessário tempo para preparar tudo", disse.
O vigário episcopal dos siríacos católicos, monsenhor Pios Kasha, que visitou o templo devastado, classificou o ocorrido de "verdadeiro massacre".
"O que é certo é que todos os membros de minha comunidade vão abandonar o Iraque", declarou.
"Homens vestidos com uniforme militar invadiram a igreja com suas armas e mataram um padre imediatamente. Me refugiei em uma pequena sala onde já estavam quatro pessoas", contou um dos reféns, de 18 anos, que não revelou o nome.
"Pouco depois, dois homens armados entraram na sala, atiraram para o alto e para o chão. Três pessoas ficaram feridas e eles nos empurraram para o templo. Depois aconteceu um tiroteio e ouvimos explosões", completou.
"Segundo a Igreja. os católicos no Iraque, que representavam 2,89% da população em 1980 (378.000), representavam 0,94% em 2008 (301.000).
fonte:    http://noticias.r7.com/internacional/noticias/ataques-contra-cristaos-matam-ao-menos-tres-pessoas-no-iraque-20101110.html

                                                   padre Taher Saadallah